Clientes

A Fity foi fundada em 1997 e desde então, desenvolveu projetos para várias instituições de renome

É possível conhecer os trabalhos realizados ao clicar em cada Cliente.

A Confederação Brasileira de Futebol pensa há anos em desenvolver uma rede de escolas de futebol e um sistema de clínicas. Depois de algumas reuniões na sede da empresa, quando apresentamos os modelos de negócio que poderiam ser utilizados nessa empreitada, a CBF nos contratou para desenvolver um projeto completo. Um plano de negócios foi elaborado com os seguintes conteúdos:

  • As redes de Escolas de Futebol no Brasil e nos outros países
  • Recomendações para a implantação de uma rede de escolas de futebol
  • Logo e nome da Escola
  • Branding da Escola
  • Projeto Piloto
  • Metodologia de Treinamento
  • Estruturação da empresa gestora e seleção de parceiros da rede
  • A escola modelo e as clínicas
  • A expansão do negócio
  • Planejamento para a implantação do projeto piloto e da expansão
  • Relação custo benefício
  • Análise Swot

O plano de negócios foi entregue em Setembro de 2016 e as clínicas já serão desenvolvidas em 2017. Acredita-se que as escolas também comecem a ser implantadas no mesmo ano.

Em 2018 Leandro Petersen, gerente comercial e de marketing da AFA entrou em contato com a Fity para que desenvolvêssemos um projeto de uma rede de escolas de futebol argentino para a China. Conversamos durante várias semanas para entendermos como eles queriam que o modelo de negócio fosse desenvolvido e ao mesmo tempo, demos várias sugestões em razão de nossa experiência já vivenciada naquele país. Durante dois meses desenvolvemos o projeto, que foi entregue à AFA em Setembro de 2018.

O trabalho com o SESC Nacional foi realizado entre 2006 e 2009. O escopo principal da assessoria foi o desenvolvimento de um Manual de Iniciação Esportiva para várias modalidades. Inicialmente, foram feitos cursos de atualização para toda a rede SESC, por meio de ensino à distância. Então, as unidades SESC passaram a enviar sugestões, a partir de experiências vividas em cada unidade, para que o Manual fosse elaborado. Depois de analisar as sugestões e consultar a literatura disponível sobre o treinamento com crianças e adolescentes, o Manual de Iniciação Esportiva foi escrito e entregue à direção do SESC Nacional no Rio de Janeiro em 2009.

Editorial do Manual de Iniciação Esportiva 

Organizador e Autor
Luiz Roberto Rigolin da Silva

Coautores
Alessandro Hervaldo Nicolai Ré
Pedro Augusto Hercks Menin
Marisa Markunas
Rosemeri Pavanati

Colaboradores – Regionais SESC
Acre
Alagoas
Amapá
Brasília
Florianópolis
Goiás
Manaus/Amazonas
Maranhão
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Paraná
Pernambuco
Piauí
Rio Grande do Norte
São Paulo
Sergipe
Tocantins
Vitória/Espírito Santo

Revisão 
Ana Paula Sierra

A assessoria para o projeto do jogador Neymar Jr. foi requisitada em duas etapas diferentes: a primeira pela empresa Titans em 2015 e a segunda, pela Holding Sforza em 2016 e 2017. Ambas empresas, em momentos diferentes, adquiriram a cessão de direito do uso de imagem do jogador Neymar para desenvolverem dois projetos: APP Neymar Experience e Escola de Futebol Neymar Jr.

Para a empresa Titans elaboramos dois trabalhos diferentes: exercícios para o aplicativo do Neymar (APP) e a construção da Metodologia de Treinamento para sua rede de escolas, a Neymar Academy. Os exercícios foram elaborados no início de 2015 e utilizados na primeira versão do aplicativo, chamado Neymar Experience. Já a Metodologia de Treinamento foi finalizada ao final do primeiro semestre de 2015.

A Holding Sforza nos requisitou três trabalhos diferentes: a) adaptações na Metodologia para o novo sistema de franquia das Escolas de Futebol do jogador Neymar Jr.; b) assessoria para a modelagem da rede de Escolas de Futebol do Jogador Neymar Jr.; c) seleção e treinamento do coordenador geral de rede de Escolas de Futebol do Jogador Neymar Jr.

Desde 2002, ano de lançamento do projeto, foram prestadas assessorias e consultorias para o projeto Vôlei Futuro de Araçatuba. Inicialmente, a equipe de vôlei contava com atletas que jogavam e trabalhavam na empresa Reunidas Paulista. Era um projeto apenas para atletas do sexo masculino e que competiam na segunda divisão do campeonato paulista. Em alguns anos, o Vôlei Futuro tornou-se um dos mais expressivos projetos do vôlei e do esporte brasileiro, passando a contar com equipes masculinas e femininas de alto nível. Vários atletas de seleção brasileira participaram desse projeto, que durou mais de dez anos. Entre eles, Ricardinho, Lucão, Leandro Vissotto, Paula Pequeno, Fernanda Garay e Walewska. A assessoria foi realizada por meio de cursos para os professores e técnicos e de avaliações dos atletas. Além disso, durante os anos de vigência do projeto (até 2012), houve várias consultorias quanto ao desenvolvimento das categorias de base.

O Sport Club Corinthians Paulista contratou a assessoria da Fity em 2012 para desenvolver a Metodologia de Treinamento Chute Inicial Corinthians (escolas de futebol). Durante um ano, foram feitas várias entrevistas com os licenciados da rede para coletar informações sobre as necessidades de cada um deles. Então, passou-se a fazer reuniões periódicas na sede do Corinthians para a elaboração do conteúdo. Depois de pronto o conteúdo, foi feito um estudo piloto para verificar a efetividade do material produzido. Depois que os ajustes foram feitos (em razão do estudo piloto), a Metodologia de Treinamento Chute Inicial Corinthians foi finalizada e lançada para a rede de licenciados em abril de 2013.

Logo após o lançamento da Metodologia fomos contratados para fazer o gerenciamento da rede de escolas do Chute Inicial Corinthians. Depois de uma auditoria completa na rede de escolas, as ações sugeridas e implantadas foram:

  • Elaboração do sistema de qualificação das unidades (ouro, prata e bronze)
  • Elaboração do sistema de SAC
  • Elaboração dos critérios para a seleção de novos licenciados
  • Revisão do contrato de licenciamento para adequações administrativas
  • Estreitamento da relação com a base do futebol de campo e com o futsal
  • Elaboração do curso sobre a Metodologia de Treinamento Chute Inicial
  • Elaboração da certificação da Metodologia de Treinamento Chute Inicial
  • Avaliação pedagógica dos professores da unidade Parque São Jorge (PSJ)
  • Elaboração de concurso para a contratação de professores para a unidade PSJ
  • Treinamento dos professores da unidade PSJ para a utilização da Metodologia
  • Elaboração do Manual e do DVD para professores, alunos e pais
  • Elaboração dos critérios técnicos e táticos das avaliações dos alunos
  • Elaboração dos sistemas de treinamento das seleções do Chute Inicial

Primeira fase: De outubro a dezembro de 2014, foi prestada uma consultoria para o Esporte Clube Bahia, com o objetivo de reestruturar as Escolas de Futebol do Clube. Inicialmente, o contato foi feito com o Gerente de Marketing do clube, Lenin Franco, que expôs as necessidades do Bahia quanto às escolas de futebol. Então, depois de algumas conversas com Lenin, foi feita uma reunião presencial na sede do clube com o Diretor de Futebol Pablo Ramos e com o departamento de Marketing do Bahia, para a exposição de um plano de negócios, que poderia ser utilizado para o desenvolvimento de uma rede escolas de futebol. Pablo Ramos e Lenin Franco externaram sua satisfação quanto ao projeto proposto e, por isso, já queriam iniciar sua implantação em 2015. Entretanto, como havia apenas mais dois meses para uma nova eleição, em comum acordo, preferimos adiar o início das atividades para 2016. Como houve a mudança de boa parte da diretoria em 2016, não foi dada sequência às negociações para o desenvolvimento do projeto.

Segunda fase: Em 2018 voltamos a conversar com o Esporte Clube Bahia, quando Guilherme Bellintani tornou-se presidente do clube e quando Marcelo Vilhena assumiu a coordenação das categorias de base. Conversamos durante semanas sobre um modelo de negócio que representaria a importância do E.C. Bahia para o futebol Brasileiro e então fechamos a parceria. Durante quatro meses desenvolvemos a modelagem do sistema de licenciamento das escolas do E.C. Bahia que passou se chamar Talentos de Aço. Em novembro de 2018 lançamos a rede de escolas para o mercado nacional e internacional e passamos a gerenciá-la.

Em novembro de 2018 recebemos o contato do Sr. Jocélio que é o gestor responsável pela escola de futebol que funciona da sede do clube. Conversamos durante vários dias sobre escolas de futebol e Jocélio nos pediu que auditorássemos a escola modelo para que então fizéssemos a modelagem de uma rede de escolas de futebol (expansão do negócio). Começamos a auditoria em janeiro de 2019 e a previsão é que a modelagem da rede de escolas esteja pronta até outubro de 2019. O Ceará foi o primeiro clube brasileiro que nos consultou que se preocupou em realizar a auditoria do negócio já existente para depois iniciar a sua expansão.

Em 1999 e 2000, foi realizada uma assessoria para o projeto Bradesco Esportes (na época, denominado BCN Esportes). Foram feitas palestras sobre o treinamento com crianças e adolescentes para os professores dos núcleos de formação (basquete e vôlei). Além disso, as mais de 2 mil crianças dos núcleos de formação foram avaliadas, quanto à parte antropométrica e de aptidão física, periodicamente em um sistema de estudo transversal (os resultados foram comparados com os das categorias de base do clube).

Em 2017 conhecemos Higor Nunes dos Santos e Carlos Julio Pierin, sócios da licenciadora master do Boca Juniors no Brasil. A partir de nossas primeiras conversas, em agosto de 2017, durante 0 Circuito de Palestras para Gestores de Escolas de Futebol, percebemos que tínhamos muitas afinidades em termos de business e que parcerias de valor poderiam ser firmadas. Em novembro de 2017 fizemos a primeira parceria, quando aplicamos em algumas unidades da rede de escolas testes sobre a composição corporal, sobre o desenvolvimento motor e sobre aspectos técnicos do futebol. Ainda no mesmo ano firmamos a parceria para a implantação do Método VI-VA em algumas escolas da rede. Em 2019 o Método VI-VA passou a ser obrigatório em toda a rede. A parceria com a DFS GOl Business, empresa que o Higor Nunes dos Santos é proprietário, passou a ser uma das maiores da empresa Fity e certamente ainda desenvolveremos vários trabalhos juntos para tornamos o mercado de escolas de futebol cada vez mais profissional.

O Palmeiras estava há alguns anos no processo de desenvolvimento de suas escolas de futebol. Em 2015, o clube contratou Roberto Trinas, que assumiu o cargo de Chief Marketing Officer (CMO) e uma de suas missões era desenvolver uma rede de escolas de futebol. Em julho de 2016, fizemos uma reunião para a exposição dos modelos de negócio utilizados em algumas escolas de futebol e para a explicação sobre a dinâmica de funcionamento das redes de escolas no Brasil e em outros países. Durante essa reunião sugerimos que para o início do projeto seria fundamental contar com um gerente administrativo que pudesse levar à frente os conceitos uma rede moderna e diferenciada. Foi quando indicamos Thiago Amorim, que havia trabalhado com a Fity no Sport Club Corinthians. Thiago foi contratado em 2017 e desde então passou a desenvolver uma rede de escola de referência no Brasil.  A ideia central da consultoria da Fity para o Palmeiras foi demostrar aos responsáveis em desenvolver a franquia do Palmeiras a importância de se construir uma rede de escolas que primasse pela qualidade e não pela quantidade.

No início de 2016, o Superintendente do América Futebol Clube, Paulo Assis, tinha a ideia de construir uma metodologia de ensino para as Escolas de Futebol do clube. Então, depois de algumas conversas, foi verificada a necessidade de reestruturar o modelo de negócio utilizado para a comercialização das escolas e de reestruturar as categorias de base nas faixas etárias iniciais (Sub 9 e Sub 11), antes que a metodologia fosse desenvolvida. Um projeto completo foi elaborado e entregue para Paulo Assis para que as questões citadas anteriormente fossem resolvidas.

O empresário chinês Charlie Lu, em 2015, tinha a ideia de montar uma rede de escolas de futebol e uma universidade do futebol na China. Então, o referido empresário requisitou um projeto para que essa meta fosse alcançada. O projeto foi idealizado em junho e julho de 2015. Entretanto, para que a implantação ocorresse de maneira efetiva, em agosto de 2015 fomos para a China e ali ficamos por um mês. Fizemos um levantamento sobre a cultura chinesa, a forma como as aulas de Educação Física funcionam e como as Escolas de Futebol estavam estruturadas. Depois desse levantamento, as adaptações necessárias foram efetuadas e o projeto completo foi entregue ao empresário Charlie Lu.

Entre 2010 e 2011, o São Paulo Futebol Clube fez um pedido de consultoria para suas Escolas de Futebol. O contato foi realizado por meio do coordenador da base, Marcelo Lima, que tinha o interesse de fazer uma maior interação entre a base e as escolas de futebol. Então, conversamos com Paulo Cruz, do departamento de marketing do clube, que era coordenador das Escolas de Futebol. Depois de entender melhor os objetivos do clube, foi apresentado um projeto que continha diretrizes quanto às formas que poderiam ser utilizadas na seleção dos profissionais das Escolas de Futebol, além de um sistema de cursos à distância para a atualização constante dos professores da rede.

Rolar para o topo